PUBLICIDADE
IPCA
0,25 Fev.2020
Topo

Como ganhar dinheiro com a queda da Bolsa investindo em BOVA11

César Esperandio

20/03/2020 04h00

O economista César Esperandio, do Econoweek, a tradução da economia e do dinheiro, vai mostrar como ganhar dinheiro com o sobe e desce da Bolsa em 5 minutos.

Muita gente está enxergando uma boa oportunidade de investir na Bolsa, aproveitando que ela caiu muito nos últimos dias.

Há quem entenda isso como uma "promoção". Mas será que é isso mesmo?

Vários seguidores vieram nos perguntar se esse era um bom momento para começar a investir.

E se você tivesse só um investimento que conseguisse capturar todo o movimento da Bolsa, para tentar lucrar quando o Ibovespa voltar a subir?

O BOVA11 é um fundo de índice negociado na Bolsa, cuja função é exatamente imitar o comportamento do Ibovespa em um único investimento.

O BOVA11 é um fundo de investimentos passivo, como são chamados os fundos que se propõe a "seguir" um índice. A carteira do fundo é montada com as mesmas ações que compõe o índice Ibovespa, aquele que está saindo no jornal todo dia, num sobe e desce alucinante.

Vantagens do BOVA11

Para o investidor iniciante, esse tipo de investimento pode ser muito interessante por três principais motivos:

  1. Com R$ 500 já dá para investir no BOVA11 e ter uma carteira amplamente diversificada, sem precisar montar a sua própria carteira, ação por ação até chegar às mais de 70 ações que compõe o Ibovespa;
  2. O dividendo pago por cada ação é reinvestido automaticamente, aumentando seus ganhos;
  3. O BOVA11 é um dos investimentos desse tipo mais negociados na Bolsa, tornando mais fácil comprar e vender a qualquer momento.

Por outro lado, enquanto nas ações, a cobrança de Imposto de Renda é isenta para investimentos de até R$ 20 mil, no BOVA11 há incidência desse imposto sobre os lucros sob a alíquota de 15% para qualquer montante investido.

Vou ganhar dinheiro com BOVA11?

Ninguém pode afirmar se você vai ganhar ou perder dinheiro.

Inclusive, essa é apenas uma discussão de investimentos e o texto não se trata de uma recomendação de investimento.

Investimentos na Bolsa de Valores são considerados aplicações de risco.

Essa crise reduziu a circulação de pessoas e mercadorias ao redor do mundo, diminuindo a quantidade de negócios.

Menos negocios é equivalente a menos receita das empresas.

Parece muito distante? Há relatos de empresas brasileiras, que nunca tiveram estoques de produtos importados da China, essenciais para as suas atividades, pois, até então, bastava encomendar que o produto chegava rapidinho.

Agora, com várias fábricas chineses em férias forçadas, essas empresas brasileiras também não estão conseguindo trabalhar.

Já deu para perceber que isso vai impactar na geração de receita dessas empresas, não é?

Assim, os preços das ações caíram e é provável que haja uma recuperação, mas ninguém sabe ao certo quando e, rigorosamente, é impossível afirmar se de fato haverá recuperação. Ninguém tem bola de cristal.

Você investiria em BOVA11? Ou prefere outro tipo de investimentos? Conta para a gente aqui nos comentários ou entre em contato no nosso canal do YouTube, Instagram e LinkedIn. Também é possível ouvir nossos podcasts no Spotify. A gente sempre compartilha muito conhecimento sobre economia, finanças e investimentos. Afinal, o conhecimento é sempre uma saída!

Sobre os Autores

César Esperandio: economista com ênfase em planejamento financeiro, com larga experiência no mercado financeiro. Já atuou em setores macroeconômicos de bancos e consultorias, além de ter passado por empresa de pesquisas de mercado. Hoje se dedica exclusivamente ao Econoweek, com foco em investimentos.

Yolanda Fordelone: economista e jornalista, teve passagens por grandes jornais nas áreas de economia e finanças, foi professora em um curso de graduação em Economia e hoje coordena uma equipe em um aplicativo de gestão financeira. Além disso, se dedica às finanças pessoais no Econoweek.

Sobre o Blog

O Econoweek é um blog escrito por dois economistas que querem traduzir a economia, as finanças e o dinheiro.

Econoweek