PUBLICIDADE
IPCA
0,21 Jan.2020
Topo

Vestibular: pressão e stress marcam os que querem entrar na faculdade

César Esperandio

24/01/2020 08h35

O Enem é a porta de entrada para várias universidades. Vários outros vestibulares importantes também podem garantir o acesso às melhores universidades brasileiras, públicas ou privadas, que são o sonho de vários jovens no país. Mas a que situações de stress e ansiedade os estudantes estão sujeitos?

Hoje, o economista do Econoweek, César Esperandio, bateu um papo sobre universidade, preparação para o vestibular e carreira, com três jovens que estão nessa fase.

 

Da última vez que conversamos por aqui, falamos sobre quatro passos para atingir a liberdade financeira. Vale a pena dar uma olhada!

 

É muito caro e difícil entrar em uma faculdade de ponta?

O simpático Leonardo Roasio, 18 anos, aluno de Administração da FEA-USP, conta que quis entrar nessa universidade pois gostaria de uma faculdade que o credenciasse, evitando ter "opiniões que as pessoas não dariam nenhuma relevância", em suas palavras. Para isso, ele concluiu que o ideal seria cursar a graduação na Fundação Getúlio Vargas (FGV), no Insper ou na Universidade de São Paulo, a USP.

As duas primeiras faculdades citadas são referência de ensino no país, ambas situadas na cidade de São Paulo (com algumas unidades em outros locais), cuja mensalidade podem passar dos R$ 4.500 por mês. Mesmo assim, o vestibular para ambas é bem concorrido.

A USP é a universidade pública mais conceituada no país, com processo seletivo conhecido por seu rigor e notas de cortes altas para os potenciais ingressantes.

 

A faculdade é um novo mundo?

Duh Giorgi, 17 anos, vestibulanda de Economia e moradora de Mogi das Cruzes, relata ter a impressão que as universidades de ponta da cidade de São Paulo dão a oportunidade de enriquecimento cultural, além do ensino. "Quando eu cheguei para visitar o Insper-SP, eu não acreditava! Você começa a conviver com outros tipos de pessoas", afirma Duh. "Se eu me formasse em uma universidade da minha cidade, eu nunca chegaria no nível de um aluno do Insper, ou teria que trabalhar muito mesmo", conclui.

Essa vestibulanda simpática, que está em processo de provas vestibulares para ingressar com bolsas de estudos em duas dessas faculdades conceituadas, Insper e FGV, também é uma influenciadora digital que se propõe a esclarecer mitos dos processos seletivos e experiências vividas dentro dos principais centros de ensino do país.

Ela visita com frequência essas faculdades e conta tudo em sua conta do Instagram, @duhgiorgi.

Mas o processo para ganhar o direito de sentar em uma das cadeiras como aluno de qualquer uma dessas universidades de ponta é árduo.

 

O ano de vestibular é um período estressante?

O aluno Luiz Felipe, 18 anos, recém chegado à graduação de Administração no Insper, veio da cidade de Salvador-BA, onde cursou o ensino médio em uma escola que se propunha a ter seus alunos na lista de aprovados das principais universidades.

"Desde o meu primeiro ano do ensino médio, eu já era focado em ser o melhor", relata Luiz. "Mas eu tenho as minhas dúvidas se foi o melhor caminho ter sido tão duro em relação a resultados, pois eu não vivi muitos momentos que meus amigos viveram, como festas e saídas. Para mim, ensino médio foi um período horrível".

De tanta cobrança e stress, Luiz Felipe chegou a ter uma arritmia cardíaca a passou a tomar remédio para o coração durante o ano de vestibular.

Problemas de ansiedade, stress e outras neuroses, que desencadearam problemas de saúde física, são comumente relatados nessa faixa etária.

 

Como manter a calma no vestibular?

Leonardo Roasio, aprovado em vários dos principais vestibulares do Brasil, dá a dica de fazer várias provas vestibulares e simulados, pois, ao se deparar com uma nova prova, já não estará tão tenso, podendo ter o seu desempenho comprometido pelo nervosismo e ansiedade.

Outra dica é que a crença de que há uma obrigação de ser aprovado para ingressar logo em uma faculdade é um mito.

Eu, César Esperandio, comecei a minha graduação dois anos e meio após me formar no ensino médio, e não senti nenhuma rejeição do mercado de trabalho por conta da minha idade (bem como outros colegas de classe bem mais velhos que eu) e ainda me percebi muito mais maduro para encarar o novo desafio com a seriedade que ele merece.

Além disso, relatamos aqui apenas a experiência de alunos em processo de ingresso em universidades de ponta, sendo que essa não é a realidade da maioria dos brasileiros.

Mantenha-se calmo e cobre-se menos. Se você pensa em ingressar em faculdades menos reconhecidas, também agarre essa oportunidade com todas as forças e tire o maior proveito possível, absorvendo o máximo de conhecimento disponível.

Com certeza, você terá um diferencial para sair na frente pela busca de sua carreira e seus sonhos.

 

Você também está nessa fase de vestibular e faculdade?

Conta aqui nos comentários ou fale com a gente no nosso canal do YouTube, InstagramTwitter e LinkedIn. Também é possível ouvir nossos podcasts no Spotify. A gente sempre compartilha muito conhecimento sobre economia, finanças e investimentos. Afinal, o conhecimento é sempre uma saída!

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre os Autores

César Esperandio: economista com ênfase em planejamento financeiro, com larga experiência no mercado financeiro. Já atuou em setores macroeconômicos de bancos e consultorias, além de ter passado por empresa de pesquisas de mercado. Hoje se dedica exclusivamente ao Econoweek, com foco em investimentos.

Yolanda Fordelone: economista e jornalista, teve passagens por grandes jornais nas áreas de economia e finanças, foi professora em um curso de graduação em Economia e hoje coordena uma equipe em um aplicativo de gestão financeira. Além disso, se dedica às finanças pessoais no Econoweek.

Sobre o Blog

O Econoweek é um blog escrito por dois economistas que querem traduzir a economia, as finanças e o dinheiro.

Econoweek