PUBLICIDADE
IPCA
1,15 Dez.2019
Topo

Método Detox Financeiro: 3 coisas para cortar hoje que não farão falta

César Esperandio

07/01/2020 04h00

Quando a gente fala em economizar, já pensamos em rever todo o nosso orçamento para descobrirmos onde podemos "cortar" gastos. Hoje, a economista Yolanda Fordelone vai te contar o Método Detox Financeiro do Econoweek, com três coisas que podemos cortar hoje, sem fazer nenhuma falta, e já começar 2020 economizando.

 

Da última vez que conversamos por aqui, contamos das besteiras financeiras que fizemos em 2019 e não pretendemos repetir em 2020. Vale o clique!

 

1ª dica para 2020: corte o cheque especial

Você já deve estar sabendo que mudou a regra do cheque especial. "Ah, mas eu não uso". Por isso mesmo é que você tem que tomar uma providência, pois que não está usando o cheque especial é que vai pagar simplesmente por ter limite de dinheiro para usar.

O Banco Central decidiu que agora os bancos só podem cobrar juros de até 8% ao mês no cheque especial.

Em contrapartida, porém, os bancos poderão cobrar uma tarifa até de quem não usa o cheque especial.

A partir do dia 1º de junho de 2020, basta ter um limite de cheque especial acima de R$ 500 para ser obrigado a pagar essa tarifa, que poderá ser de até 0,25% do valor que exceder os R$ 500.

Ou seja, se o seu limite é de R$ 5 mil, o banco vai poder cobrar 0,25% dos R$ 4.500 (o valor acima de R$ 500), o que dá R$ 11,25 por mês.

Você não vai querer pagar isso, não é? 80 milhões de pessoas têm limite acima de R$ 500. Então, sugerimos já cortar o seu limite para um valor de até R$ 500, mesmo que a regra só passe a valer a partir de junho.

 

2ª dica para 2020: migre para um pacote bancário mais barato

Ainda falando de bancos, você realmente usa tudo aquilo que o seu pacote bancário da conta corrente inclui?

TEDs, DOCs, folhas de cheque, e por aí vai. A maioria das pessoas não usa tudo isso.

Aproveite esse começo de ano para migrar de serviço. Você pode tanto optar por uma conta digital gratuita, como pelo pacote gratuito básico que todo banco tem que oferecer seguindo as regras do Banco Central.

Nós já ensinamos como abrir conta de graça em qualquer banco. Vale a pena conferir essa informação.

 

3ª dica para 2020: ande com a sua garrafa d'água

O terceiro item que você pode cortar é água.

Não estamos dizendo para você beber menos água. Ao contrário, com essa dica, vai passar a beber ainda mais água, cuidando melhor da saúde e do bolso.

Outro dia, o economista do EconoweekCésar Esperandio, comentou que sempre anda com uma garrafa de água para não ter que comprar quando tiver sede.

E não é que isso faz bastante sentido! Se comprarmos duas garrafinhas de água por semana, por R$ 4 cada uma, já seriam R$ 416 gastos por ano. Parece pouco, mas são essas pequenas trocas, que são de pequeno esforço, que nos fazem economizar bastante dinheiro e ainda adotarmos melhores hábitos em nossas rotinas.

 

Que outra dica você daria de um corte de gastos fácil de fazermos em 2020?

Conta aqui nos comentários ou fale com a gente no nosso canal do YouTube, InstagramTwitter e LinkedIn. Também é possível ouvir nossos podcasts no Spotify. A gente sempre compartilha muito conhecimento sobre economia, finanças e investimentos. Afinal, o conhecimento é sempre uma saída!

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre os Autores

César Esperandio: economista com ênfase em planejamento financeiro, com larga experiência no mercado financeiro. Já atuou em setores macroeconômicos de bancos e consultorias, além de ter passado por empresa de pesquisas de mercado. Hoje se dedica exclusivamente ao Econoweek, com foco em investimentos.

Yolanda Fordelone: economista e jornalista, teve passagens por grandes jornais nas áreas de economia e finanças, foi professora em um curso de graduação em Economia e hoje coordena uma equipe em um aplicativo de gestão financeira. Além disso, se dedica às finanças pessoais no Econoweek.

Sobre o Blog

O Econoweek é um blog escrito por dois economistas que querem traduzir a economia, as finanças e o dinheiro.

Econoweek