Topo

5 dicas para aproveitar a Black Friday sem cair em fraudes

César

12/11/2019 04h00

A Black Friday Brasil começou em 2010 e já é considerada a maior liquidação do ano. Evento comum nos Estados Unidos desde os anos 90, acontece um dia após o feriado de Ação de Graças, principalmente em lojas físicas. No Brasil, o que funciona de verdade é a venda online, apesar de também haver algumas lojas físicas com promoções.

A Black Friday, em 2019, acontecerá em 29 de novembro e não é raro ouvir a expressão "Black Fraude". Hoje, Econoweek vai te dar cinco dicas de como garantir as melhores ofertas na Black Friday sem cair em fraudes.

 

Dica 1: pesquise preços com antecedência

A primeira dica é ficar de olho nos preços bem antes da Black Friday, de preferência ao redor de agosto e setembro. Isso vale para smartphone, o item mais pesquisado na data, mas também para todos os produtos que deseja comprar, sejam TVs, passagens aéreas, entre outros. Isso porque os preços podem aumentar perto do evento em algumas lojas mais "pilantrinhas".

Mas, já chegamos em novembro e você ainda não pesquisou os preços? Então, vamos à segunda dica.

 

Dica 2: use sites que têm histórico de preços

Em sites como BuscapéZoom e vários outros, é possível checar o histórico de preços de diversos produtos. Então, não há mais desculpas.

 

Dica 3: dê preferência a sites com selo "Black Friday de verdade"

Recomendamos verificar se, no site que oferece algum produto de seu interesse, há o selinho Black Friday de verdade, que surgiu em 2014. As lojas que participam da campanha se comprometem a dar descontos reais nos produtos que estão oferecendo.

 

Dica 4: crie alerta de preços

Tanto em sites de companhias aéreas, como em sites como o Zoom, é possível criar esse tipo de aviso. Não é preciso passar o dia ou a semana inteira pesquisando preços a todo momento. Deixe a tecnologia trabalhar em seu favor.

O funcionamento é simples: na maioria dos alertas de preços, basta apontar qual preço você está disposto a pagar por um produto, que o mecanismo te avisará por e-mail, pop-up e até por mensagens, quando o preço chegar ao nível que deseja.

Assim, se a loja que tem aquele presente, que você quer tanto comprar para alguém (ou até para você mesmo), der um descontão na Black Friday, você vai ficar sabendo na hora.

 

Dica 5: inscreva-se em newsletters

As lojas usam as newsletters como tática de marketing para manter o consumidor informado e aquecidos até a Black Friday.

Ao se inscrever em uma lista dessas, você ficará bem informado sobre o que está rolando, além de poder aproveitar promoções prévias, que as lojas oferecem aos inscritos nesse tipo de lista.

 

Dica bônus: planeje-se

Faça uma lista prévia de o que pretende comprar, com o máximo que deseja gastar, e não fuja do planejado, ou poderá se arrepender.

 

Agora, se você não está nem pensando em aproveitar a Black Friday porque está sem dinheiro, nós fizemos um vídeo contando 5 dicas para começar 2020 com mais dinheiro do que em 2019. Você vai gostar!

 

O que você está pensando em comprar nessa Black Friday?

Conta aqui nos comentários ou fale com a gente no nosso YouTube, Instagram e LinkedIn. Também é possível ouvir nossos podcasts no Spotify. A gente sempre compartilha muito conhecimento sobre economia, finanças e investimentos. Afinal, o conhecimento é sempre uma saída!

Sobre os Autores

César Esperandio: economista com ênfase em planejamento financeiro, com larga experiência no mercado financeiro. Já atuou em setores macroeconômicos de bancos e consultorias, além de ter passado por empresa de pesquisas de mercado. Hoje se dedica exclusivamente ao Econoweek, com foco em investimentos.

Yolanda Fordelone: economista e jornalista, teve passagens por grandes jornais nas áreas de economia e finanças, foi professora em um curso de graduação em Economia e hoje coordena uma equipe em um aplicativo de gestão financeira. Além disso, se dedica às finanças pessoais no Econoweek.

Sobre o Blog

O Econoweek é um blog escrito por três economistas que querem traduzir a economia, as finanças e o dinheiro.

Econoweek