IPCA
-0.04 Set.2019
Topo
Econoweek

Econoweek

Porque os canudos sumiram (ou como marcas e políticos tentam te manipular)

César

17/09/2019 04h00

Você já deve ter se dado conta que hoje estamos muito mais engajados com o menor consumo de itens plásticos, não é? Inclusive, uma grande rede de fast food aboliu a distribuição indiscriminada de canudinhos. Mas será que ela realmente está ajudando o planeta? Hoje, o Econoweek faz uma pausa para pensar se atitudes como essa são ou não bem intencionadas.

Eu, César Esperandio, fui recentemente a um fast food para comer o tradicional trio de hambúrguer, batatinhas e refrigerante. Mas, para a minha surpresa, não havia canudos à disposição. Questionado, o atendente me explicou que essa é a nova postura da marca em benefício do meio ambiente. Afinal, os oceanos estão poluídos, e os animais e a natureza sofrem. Sabemos disso.

Por outro lado, não precisei de tanta atenção para me dar conta que no meu copo de refrigerante havia uma tampa de plástico, bem como a colher do sorvete da menina ao lado também era de plástico. Tudo descartável.

Será que essa marca, que agora não cede mais canudos, realmente está preocupada com o meio ambiente ou apenas quer "fazer bonito", já que o canudo plástico passou a ser o vilão da história?

Calma! Eu também sou a favor do menor consumo de itens plásticos, principalmente os descartáveis. Mas, como bem lembrou o NasDaily, podemos estar sob efeito de "empatia seletiva", pois já vimos a triste imagem de uma tartaruga sofrendo, e isso foi associado ao descarte indevido de resíduos plásticos nos mares. Dentre eles, o canudo.

Empatia, em interpretação livre, é genuinamente se pôr no lugar do próximo, entendendo suas dores e agonias. Seja esse "próximo" uma outra pessoa, um animal, uma causa, ou mesmo a natura.

Empatia seletiva seria escolhermos, mesmo que inconscientemente, nos importarmos com apenas uma parcela dos problemas que existem.

Mas por que nos lembramos disso e esquecemos de todo o resto?

Não precisamos de tanto esforço para recordarmos que quase a totalidade dos produtos vendidos nos supermercados está em embalagens plásticas descartáveis. Mas infelizmente quase nunca nos damos conta disso.

E marcas podem se aproveitar dessa distração para dar a sua contribuição à menor utilização de itens plásticos sem sequer repensar todo o resto de sua cadeia de suprimentos.

Na minha opinião, em alguns casos, isso pode ser puro oportunismo de algumas marcas, que continuam buscando a minimização de custos e a maximização das receitas, enxergando essa oportunidade de marketing para melhorar a imagem sem muito esforço.

Há ainda outro triste caso recente: as queimadas na Amazônia, que aumentaram bastante nesse ano.

Esse é um problema? Claro que é!

Mas por que será que a maioria de nós nasceu, cresceu e continua vivendo ao lado de um rio poluído devido à precária rede de coleta e tratamento de esgoto, embora eu não me lembre de ter visto um protesto sobre isso na avenida Paulista?

Você sabia que, segundo o Trata Brasil, São Paulo só tem metade do esgoto tratado? E isso porque estamos falando da maior cidade do Brasil. Guarulhos, uma cidade enorme logo ao lado, que tem o maior aeroporto internacional do país, tem apenas 30% de seu esgoto tratado. Tudo isso é poluição com impactos imediatos.

Políticos podem ter usado a pauta das queimadas na Amazônia para ganhar capital político, mas o meu palpite é que poucos colocaram a preocupação com o meio ambiente realmente em primeiro lugar.

Eu não estou dizendo que quem protestou contra as queimadas na Amazônia esteja errado. Também não estou dizendo que voltemos a consumir mais canudos plásticos.

Ao contrário, estou convidando os leitores a sermos mais conscientes. Se realmente queremos o planeta mais saudável, antes devemos nos atentar se marcas e políticos não fingem ligar para isso apenas para benefício próprio, para, em seguida, observarmos o tamanho real do problema e podermos tratar do assunto com a magnitude que tomou e com a devida atenção que a natureza merece.

Qual é a sua opinião? Queremos ouvir.

Conta aqui nos comentários ou fale com a gente no nosso YouTube Instagram. Também é possível ouvir nossos podcasts no Spotify. A gente sempre compartilha muito conhecimento sobre economia, finanças e investimentos. Afinal, o conhecimento é sempre uma saída!

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre os Autores

Étore: mestre em economia, tem mais de uma década de experiência no mercado financeiro. Atua hoje como economista macroeconômico em um grande banco, e já passou por consultorias econômicas e pela Bolsa de Valores, além de dividir seu tempo com o Econoweek, onde cuida, principalmente, de Macroeconomia.

César: economista com ênfase em terapia financeira, com larga experiência no mercado financeiro. Já atuou em setores macroeconômicos de bancos e consultorias, além de ter passado por empresa de pesquisas de mercado. Hoje se dedica exclusivamente ao Econoweek, com foco em investimentos.

Yolanda: economista e jornalista, teve passagens por grandes jornais nas áreas de economia e finanças, foi professora em um curso de graduação em Economia e hoje coordena uma equipe em um aplicativo de gestão financeira. Além disso, se dedica às finanças pessoais no Econoweek.

Sobre o Blog

O Econoweek é um blog escrito por três economistas que querem traduzir a economia.

Mais Econoweek