IPCA
0.11 Ago.2019
Topo
Econoweek

Econoweek

Se sobrar dinheiro no fim do mês, é melhor investir ou pagar dívidas?

César

30/08/2019 04h00

Está sobrando um dinheirinho, e você quer começar a investir, mas tem uma dívida ou ainda está pagando parcelas de um empréstimo? O Econoweek vai te mostrar o que deve ser feito primeiro e em quais situações.

Uma informação importante que você deve ter em mente quando for tomar a decisão é o valor da taxa de juros do crédito e o retorno que teria em um investimento. Normalmente, os juros do crédito são maiores do que a rentabilidade da maioria dos investimentos.

Quando os juros do crédito são maiores que o retorno do investimento

No vídeo acima, demos um exemplo comparando os juros cobrados quando usamos o cheque especial, que estão entre os mais caros, e os juros que nos pagam quando investimos, por exemplo, no título de renda fixa Tesouro Selic. Quando produzimos esse vídeo, a taxa Selic ainda estava em 6,5% ao ano (hoje está em 6%), mas isso não fará tanta diferença para o que queremos te mostrar.

Pois bem! Os juros do cheque especial no dia da gravação do vídeo acima eram de 318% ao ano, enquanto o Tesouro Selic pagaria aproximadamente 6,5% no mesmo período.

Isso quer dizer que, se você tivesse um crédito tomado de R$ 1.000 no cheque especial, em um ano isso se transformaria em uma dívida de R$ 4.180, caso você não pagasse nenhuma parcela nesse período.

Já se você tivesse um investimento idêntico, de R$ 1.000, no Tesouro Selic, se você não fizesse nada com o dinheiro, em um ano isso se transformaria em R$ 1.065.

Depois de descontada a taxa de custódia (na data de gravação do vídeo era de 0,30% ao ano, mas hoje é pouco menor: 0,25%) e o Imposto de Renda, esses R$ 1.065 virariam R$ 1.051.

A diferença entre o valor final da dívida e do total investido seria de R$ 3.129. É esse o tamanho do seu prejuízo.

Em uma situação como essa, é melhor primeiro quitar a dívida antes de começar a investir. Se está sobrando uma quantia que você cogitou investir, pense em usar este valor para abater do total emprestado ou ainda adiantar algumas parcelas. Assim, pode garantir um desconto ainda maior.

Quando os juros do crédito são menores que o retorno dos investimentos

Por outro lado, há créditos muito mais baratos que o do exemplo anterior. Bem como há investimentos com taxas de retorno melhores que a do Tesouro Selic.

O crédito imobiliário, por exemplo, pode ser encontrado por taxas menores que 10% ao ano. Caso o investimento que pretende fazer tenha retorno superior ao juro do crédito que você tomou ou pretende tomar, siga em frente, pois é mais vantajoso continuar pagando as parcelas e já começar a investir.

Gostou da dica?

Conta aqui nos comentários ou fale com a gente no nosso YouTube Instagram. Também é possível ouvir nossos podcasts no Spotify. A gente sempre compartilha muito conhecimento sobre economia, finanças e investimentos. Afinal, o conhecimento é sempre uma saída!

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre os Autores

Étore: mestre em economia, tem mais de uma década de experiência no mercado financeiro. Atua hoje como economista macroeconômico em um grande banco, e já passou por consultorias econômicas e pela Bolsa de Valores, além de dividir seu tempo com o Econoweek, onde cuida, principalmente, de Macroeconomia.

César: economista com ênfase em terapia financeira, com larga experiência no mercado financeiro. Já atuou em setores macroeconômicos de bancos e consultorias, além de ter passado por empresa de pesquisas de mercado. Hoje se dedica exclusivamente ao Econoweek, com foco em investimentos.

Yolanda: economista e jornalista, teve passagens por grandes jornais nas áreas de economia e finanças, foi professora em um curso de graduação em Economia e hoje coordena uma equipe em um aplicativo de gestão financeira. Além disso, se dedica às finanças pessoais no Econoweek.

Sobre o Blog

O Econoweek é um blog escrito por três economistas que querem traduzir a economia.